Facebook

Nuno Júdice, Como se faz o poema / Come si fa una poesia

COMO SE FAZ O POEMA

 

Para falarmos do meio de obter o poema,

a retórica não serve. Trata-se de uma coisa simples, que não

precisa de requintes nem de fórmulas. Apanha-se

uma flor, por exemplo, mas que não seja dessas flores que crescem

no meio do campo, nem das que se vendem nas lojas

ou nos mercados. É uma flor de sílabas, em que as

pétalas são as vogais, e o caule urna consoante. Põe-se

no jarro da estrofe, e deixa-se estar. Para que não morra,

basta um pedaço de primavera na água, que se vai

buscar à imaginação, quando está um dia de chuva,

ou se faz entrar pela janela, quando o ar fresco

da manhã enche o quarto de azul. Então,

a flor confunde-se com o poema, mas aínda não é

o poema. Para que ele nasça, a flor precisa

de encontrar cores mais naturais do que essas

que a natureza lhe deu. Podem ser as cores do teu

rosto – a sua brancura, quando o sol vem ter contigo,

ou o fundo dos teus olhos em que todas as cores

se confundem, com o brilho da vida. Depois,

deito essas cores sobre a corola, e vejo-as descerem

para as folhas, como a seiva que corre pelos

velos invisíveis da alma. Posso, então, colher a flor,

e o que tenho na mão é este poema que

me deste.

 

Nuno Júdice, A te che chiamo amore, Kolibris 2011

COME SI FA UNA POESIA

 

Per parlare di come ottenere una poesia,

la retorica non serve. Si tratta di una cosa semplice, che non

necessita di raffinatezze né di formule. Si coglie

un fiore, per esempio, ma che non sia di quei fiori che crescono

in mezza campagna, né di quelli venduti in negozi

e mercati. È un fiore di sillabe i cui petali sono

le vocali, e lo stelo una consonante. Si pone nel vaso

della strofa, e là si lascia in pace. Perché non muoia,

basta un pezzo di primavera nell’acqua, che si va

a prendere all’immaginazione, in un giorno di pioggia,

o si fa entrare dalla finestra, quando l’aria fresca

del mattino colma la stanza d’azzurro. Allora,

il fiore si confonde con la poesia, ma ancora non è

la poesia. Perché questa nasca, il fiore ha bisogno

di trovare colori più naturali di quelli

che la natura gli diede. Possono essere i colori del tuo

viso – il tuo pallore quando il sole viene in te

o in fondo ai tuoi occhi dove tutti i colori

si confondono, con la brillantezza della vita. Poi,

verso questi colori sulla corolla, e li vedo scendere

fino alle foglie, come la linfa che scorre nei

veli invisibili dell’anima. Posso, allora, cogliere il fiore

e ho in mano questa poesia

che mi hai dato.

 

Traduzione di Chiara De Luca

No widget added yet.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Follow Us

Get the latest posts delivered to your mailbox:

%d bloggers like this: