Facebook

Nuno Júdice, Mistérios/Misteri

A criação não me espanta, nem os trabalhos de deus para
fazer sair o homem do meio da terra. Apenas os rios, a areia limpa
dos fundos, as pedras que a corrente alisou, as cobras-d’água
num charco da margem, a nogueira de ramos caídos sobre
a passagem de madeira, me transmitem uma sensação de princípio
de mundo, que o voo rápido da borboleta contagia com a sua
perfeição. Mas não tenho a rede do nabokov para a poder apanhar;
e as cobras-d’água são demasiado rápidas, quando me aproximo, para
as poder fixar nos olhos e tirar do seu interior o segredo de uma alquimia
de movimentos. Só as rãs, no tanque, deixam que as apanhe e
as sinta, dentro da mão, na ânsia de quererem fugir. A tarde, porém,
parece longa como o infinito de que é feita a matéria do verão. Um ruído
de rebanho a correr, ao longe, não perturba este mundo imutável. As rodas
da nora não giram há muito; e uma água estagnada, no fundo do poço, já
não reflecte o rosto que se debruça, em busca de mouras encantadas. «Vê
esta enguia», dizia-me mohammed bennis na cidade velha de rabat, «é uma
princesa que aqui encontrou a solução da imortalidade.» E à minha frente
passou uma longa enguia branca, em cuja forma adivinhei o corpo da mulher
que nela se transformara. A criação é feita destas coisas que passam à minha
frente, como se um ecrã rotativo me fizesse descobrir tudo o que não tive
tempo para fixar. E a borboleta acabou o seu voo no caule da roseira
seca, como se adivinhasse que o seu destino se cumprira.

La creazione non mi meraviglia, né le fatiche di dio per
far emergere l’uomo dal centro della terra. Solo i fiumi, la sabbia pulita
dei fondali, le pietre che la corrente ha levigato, i cobra acquatici
in una pozza al margine, il noce dai rami caduti
su una passerella di legno, mi trasmette una sensazione d’inizio
del mondo, che il rapido volo della farfalla contagia con la sua
perfezione. Ma non ho la rete di nabokov per poterla catturare,
e i cobra acuatici sono troppo rapidi, quando mi avvicino, per
poterli fissare negli occhi ed estrargli il segreto di un’alchimia
di movimenti. Solo le rane, nella vasca lasciano che le catturi
e senza, in mano, l’ansia di voler fuggire. Il pomeriggio, però
pare lungo come l’infinito di cui è fatta la materia dell’estate. Il rumore
di una mandria che corre, in lontananza, non turba questo mondo immutabile
Le ruote della noria non girano da tempo; e un’acqua stagnante, in fondo al pozzo, non
riflette più il volto che si affaccia in cerca di salamoie incantate «Vedi
quest’anguilla» mi diceva mohammed bennis nella città vecchia di rabat «è una
principessa che qui ha trovato la soluzione dell’immortalità.» E davanti a me
è passata una lunga anguilla bianca, nella cui forma indovinai il corpo della donna
che in lei si era trasformata. La creazione è fatta di queste cose che passano davanti
a me, come se uno schermo rotante mi facesse scoprire tutto quel che non c’era
tempo per fissare. E la farfalla terminò il volo sullo stelo del roseto
secco, come avesse intuito che il suo destino si era compiuto.

da Formule di una luce inesplicabile. In stampa per Edizioni Kolibris

No widget added yet.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Follow Us

Get the latest posts delivered to your mailbox:

%d bloggers like this: